O Olho

foto enviada por Karl.
Ferdinando Ongania, 1890, Itália
O Olho
(História de Khalil Gibran)
Um dia, disse o Olho:
- Além destes vales, há uma montanha que se esconde no véu azul da cerração.
O Ouvido ouviu atentamente, e, em seguida, disse:
- Mas onde está essa tal montanha que não a ouço?
Então a Mão falou:
- Estou tentando em vão sentí-la, tocá-la e não encontro montanha alguma.
E o Nariz disse:
- Não há montanha alguma, não sinto o cheiro..
Então o Olho voltou-se para o outro lado e todos conversavam ruidosamente sobre a estranha alucinação que tivera o Olho. E diziam:
- Há qualquer coisa errada com o Olho.
(Esta história de Gibran é publicada por Mansour Chalita em As Mais Belas Páginas Da Literatura Árabe)
3 Responses
  1. Lídia Says:

    Até o eterno retorno das coisas essenciais, pois dizia Nietzsche, atrás daquele imenso bigode, oxalá, a seguinte senha à libertação de nossa alma confusa:

    seja este, doravante, o meu amor: não quero fazer guerra ao que é feio. Não quero acusar, não quero nem mesmo acusar os acusadores. Que minha única negação seja ‘desviar o olhar’! E, tudo somado e em suma: quero ser, algum dia apenas, alguém que diz sim.


  2. La Vanu Says:

    Sim, sim e sim às variações deste "volver y volver y volver"...


  3. Lídia Says:

    Sim, por isso retorno. rs. como faço, Vanu, para contribuir com um texto - se é que te interessa um texto meu para a senhorita -?

    Besos